You are currently browsing the category archive for the ‘Terapia’ category.

” As vezes eu sinto que não pertenço a lugar nenhum.

As vezes, acho que isto é falta de serotonina no cérebro, ou apenas uma falta absurda de chocolate no organismo…

As vezes tenho medo e vontade de chorar… e na maioria das vezes acho que isto é infantilidade.

As vezes eu escrevo; as vezes escuto o silêncio. As vezes eu atuo; as vezes eu desenho.

As vezes finjo ser eu mesma, as vezes não. – As vezes prefiro ser outro alguém…

E ainda bem que essas coisas, acontecem só as vezes.

Mas nestas vezes,definitivamente sinto que não pertenço a este mundo! FATO! ”

 

 

 

VAI ENTENDER….

 

Fernanda era uma menina muito fechada, muito introvertida antes de descobrir como funciona o tal “desabafar”.

Já havia passado por três psicólogas e nada. Conversar com os pais e com as irmãs era a mesma coisa que nada. As amigas não ajudavam em nada.

Fernanda só foi entender o real significado do tal “desabafar” quando foi ao PNEUMOLOGISTA! Ela era paciente asmática do doutor Bassan há onze anos. Gostava de conversar com ele… Ele a ouvia, dava seus conselhos, seus pitacos como um pai e fazia piadas nas quais ela se acabava de rir… depois examinava-a, passava exames rotineiros de prova de função pulmonar que ela nunca fazia e lhe passava as receitas dos remédios.

Um dia, surgiu o tema do tal “desabafar” entre eles durante uma consulta. Fernanda mostrava-se indignada porque não conseguia entender esse tal de “desabafar”…por quê todo mundo conseguia desabafar e ela não? Por quê para as pessoas era tão fácil desabafar, e pra ela não? Ela tentara este exercício várias vezes, em vão. Toda vez que começava a falar, gaguejava, suava frio, o coração palpitava e ela travava. Então o doutor Bassan resolveu explicar como funciona este tal “desabafar”.

” – Você sabe o que acontece quando as pessoas desabafam? ” Ela respondeu que não. Ele então, abriu a gaveta de sua mesa, pegou uma folha sulfite A4,rasgou-a no meio, ficou com uma metade e deu a outra para ela. ” – É isso que acontece Fê… você fica com a metade de seus problemas e eu fico com a outra metade.”

Fernanda saiu do consultório atônita, sem saber o que dizer… Ninguém nunca explicara de maneira tão fácil que desabafar é mais fácil ainda. Começou então a exercer o tal “desabafar”… Nas primeias vezes, gaguejou, tremeu, travou e tudo mais, mas continou… Queria deseperadamente que sobrasse apenas um pedacinho de seu problema.

Pegou sua “cartolina”, dobrou ao meio, deu a metade a Deus! A outra metade ela distribuiu em pedacinhos pequenos para sua família e seus amigos. Hoje, ela não precisa ficar carregando aquela cartolina chata, cheia de colagens pra cima e pra baixo… Hoje ela tem apenas um pedacinho, mas só o tem porque não acha justo que as pessoas levem  a “cartolina” dela sozinhas…

A vontade, era a de arrancar toda aquela dor de dentro de si, mas faltou-lhe a coragem.

Coragem.

Engraçado…

“Faltar coragem” é também um ato corajoso. Afinal… não é preciso coragem para ser  livre?

Eu queria que o céu fosse rosa, as árvores vermelhas e o chão azul.

Gostaria que quando a chuva chegasse, que trouxesse consigo, gotinhas coloridas para alegrar o dia.

E que flutuássemos ao sentirmos um cheirinho gostoso de comida no ar.

 

Queria também, ter um giz de lousa, que me permitisse abrir e fechar as portas que somente EU quiser entrar; pois muitas vezes, nós entramos em portas que não queremos, ou simplesmente não entramos naquelas que realmente queremos entrar.

 

Queria ter força na mão, para arrancar o teto com apenas um serrote fino nos meus dias mais implicantes.

 

E que por fim, eu pudesse me apagar nos meus dias tristes, para me redesenhar mais feliz!

 

Monsters, Inc. – Mas por quê esse medo todo?
 – Eu não sei. Queria muito saber. Juro!
 – Olha, você precisa assistir Monstros S/A mais. Quantas        vezes for necessário.
– Por quê? Esse filme é tão lindo!
– Porque você só vai parar de sentir medo, quando se der conta de que o monstro que mora lá no armário, é na verdade, um bichinho de pelúcia!

O ser-humano é um bicho complicado mesmo!

Briga, quer e tenta de tudo para ser feliz, mas quando a felicidade bate à sua porta, ele simplesmente a ignora, Impressionante!
Deve ser a tal da desconfiança de sempre.

Quando a esmola é demais, o santo desconfia; manja?

As peças do quebra-cabeça mundo, estão completamente desorganizadas. Perdidas em outro jogo.

Felicidade gera desconfiança,
Tristeza gera segurança.

Dá pra entender?

Parece que quando se opta pela tristeza, pela indiferença, as pessoas ficam mais calejadas, seguras de si, e fortes o suficiente para agüentar o baque que for.
Sem contar, que junto com o pacote, vem a mesmice.
A mesmice dos pensamentos, dos sentimentos, das feições, sensações e situações.

Agora a felicidade…
Pô, felicidade é coisa desconhecida.
É o novo!!!
Um novo sem nome, sem origem, sem nada!
Um novo desnudo!

Um novo que desnuda a alma, pois nunca se sabe como reagir ao que traz; mesmo sabendo que é bom, que é ótimo, maravilhoso, esplêndido, pleno, lindo, prazeroso, excitante, perfeito!!!!

E ainda sim, o ser-humano persiste em ignorá-lo!!

Não, não dá pra entender!

Sintaxe à vontade

"Todo sujeito é livre para conjugar o verbo que quiser.
Todo verbo é livre para ser direto ou indireto.
Nenhum predicado será prejudicado;
Nem tampouco a vírgula, a crase, nem a frase, e nem o ponto final!
Afinal, a má gramática da vida nos opõem entre pausas, entre vírgulas; e estar entre vírgulas é aposto.
E eu aposto o oposto que vou cativar a todos, sendo apenas um sujeito simples!"


GALERIA NAGULHA

julho 2017
D S T Q Q S S
« jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Tem gente!

Sobre a Leitura



"Deve-se ler pouco e reler muito.
Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem.
É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."

Nelson Rodrigues


"Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem.
Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-lo?

Franz Kafka.
SOBRE A ESCRITA...

"O que é que eu posso escrever? Como recomeçar a anotar frases? A palavra é o meu meio de comunicação. Eu só poderia amá-la!"


"Devemos modelar nossas palavras até se tornarem o mais fino invólucro dos nossos pensamentos.
Sempre achei que o traço de um escultor é identificável por uma extrema simplicidade de linhas.
Todas as palavras que digo - é por esconderem outras palavras."


"Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir
Não sou pretenciosa.
Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando "...


"A palavra é minha quarta dimensão.
[...] escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é a palavra. Quando essa não-palavra - a entrelinha - morde a isca - alguma coisa se escreveu."


"Eu só escrevo quando eu quero. Sou uma amadora, e faço questão de continuar a ser amadora.
Profissional, é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever, ou então em relação ao outro.
Agora eu faço questão de não ser profissional, para manter a minha liberdade"

Clarice Lispector

Twitter

“PRATRÁSMENTE…”

ARQUIVOS

Folheie!

  • 29,682 Folheadas




"É somente pelo amaciamento e disfarce da carne morta através do preparo culinário, que ela é tornada susceptível de mastigação ou digestão; e que a visão de seus sucos sangrentos e horror puro, não criam um desgosto e abominação intoleráveis."

Percy Bysshe Shelley.

DOE-SE

Alegria!



Vida!