” As vezes eu sinto que não pertenço a lugar nenhum.

As vezes, acho que isto é falta de serotonina no cérebro, ou apenas uma falta absurda de chocolate no organismo…

As vezes tenho medo e vontade de chorar… e na maioria das vezes acho que isto é infantilidade.

As vezes eu escrevo; as vezes escuto o silêncio. As vezes eu atuo; as vezes eu desenho.

As vezes finjo ser eu mesma, as vezes não. – As vezes prefiro ser outro alguém…

E ainda bem que essas coisas, acontecem só as vezes.

Mas nestas vezes,definitivamente sinto que não pertenço a este mundo! FATO! ”

 

 

 

VAI ENTENDER….

 

Fernanda era uma menina muito fechada, muito introvertida antes de descobrir como funciona o tal “desabafar”.

Já havia passado por três psicólogas e nada. Conversar com os pais e com as irmãs era a mesma coisa que nada. As amigas não ajudavam em nada.

Fernanda só foi entender o real significado do tal “desabafar” quando foi ao PNEUMOLOGISTA! Ela era paciente asmática do doutor Bassan há onze anos. Gostava de conversar com ele… Ele a ouvia, dava seus conselhos, seus pitacos como um pai e fazia piadas nas quais ela se acabava de rir… depois examinava-a, passava exames rotineiros de prova de função pulmonar que ela nunca fazia e lhe passava as receitas dos remédios.

Um dia, surgiu o tema do tal “desabafar” entre eles durante uma consulta. Fernanda mostrava-se indignada porque não conseguia entender esse tal de “desabafar”…por quê todo mundo conseguia desabafar e ela não? Por quê para as pessoas era tão fácil desabafar, e pra ela não? Ela tentara este exercício várias vezes, em vão. Toda vez que começava a falar, gaguejava, suava frio, o coração palpitava e ela travava. Então o doutor Bassan resolveu explicar como funciona este tal “desabafar”.

” – Você sabe o que acontece quando as pessoas desabafam? ” Ela respondeu que não. Ele então, abriu a gaveta de sua mesa, pegou uma folha sulfite A4,rasgou-a no meio, ficou com uma metade e deu a outra para ela. ” – É isso que acontece Fê… você fica com a metade de seus problemas e eu fico com a outra metade.”

Fernanda saiu do consultório atônita, sem saber o que dizer… Ninguém nunca explicara de maneira tão fácil que desabafar é mais fácil ainda. Começou então a exercer o tal “desabafar”… Nas primeias vezes, gaguejou, tremeu, travou e tudo mais, mas continou… Queria deseperadamente que sobrasse apenas um pedacinho de seu problema.

Pegou sua “cartolina”, dobrou ao meio, deu a metade a Deus! A outra metade ela distribuiu em pedacinhos pequenos para sua família e seus amigos. Hoje, ela não precisa ficar carregando aquela cartolina chata, cheia de colagens pra cima e pra baixo… Hoje ela tem apenas um pedacinho, mas só o tem porque não acha justo que as pessoas levem  a “cartolina” dela sozinhas…

A vontade, era a de arrancar toda aquela dor de dentro de si, mas faltou-lhe a coragem.

Coragem.

Engraçado…

“Faltar coragem” é também um ato corajoso. Afinal… não é preciso coragem para ser  livre?

Eram 23:57 quando Clara saiu do banho.

A pressa para descansar era tanta, que nem percebeu a perfeita sincronia da chuva com o chuveiro.

Enrolou-se em uma toalha bordada com seu nome em tons de azul, entrou no quarto e jogou a roupa no armário.  Ao fechar a porta deste,como se fecha a porta de uma geladeira quando não se encontra nada agradável aos olhos do paladar, viu pela janela algo que nunca vira antes.

Era a mandala da chuva.

Na verdade, tratava-se apenas de uma poça d’água, que com o auxílio da chuva fina que ora lançava seus pingos mais grosseiros, e ora seus pingos educados, formavam uma linda mandala… leve e profunda.

Mandala essa, que lhe dizia que ela podia fazer o que quiser ou cair em qualquer lugar.

Na mandala da chuva, o pingo que cai no meio da poça, se abre, se espalha e aparece com facilidade.  Já o pingo que cai distante, contribui como elemento de beleza da mandala.

Não importa aonde o pingo caia.

Cada pingo é uma tentativa,

Cada tentativa, é um elemento,

Cada elemento, contribui e enfeita a mandala.

Cada mandala fala com uma pessoa.

E a mandala que falou no coração de Clara naquela noite, foi a mandala da chuva!

Eu queria que o céu fosse rosa, as árvores vermelhas e o chão azul.

Gostaria que quando a chuva chegasse, que trouxesse consigo, gotinhas coloridas para alegrar o dia.

E que flutuássemos ao sentirmos um cheirinho gostoso de comida no ar.

 

Queria também, ter um giz de lousa, que me permitisse abrir e fechar as portas que somente EU quiser entrar; pois muitas vezes, nós entramos em portas que não queremos, ou simplesmente não entramos naquelas que realmente queremos entrar.

 

Queria ter força na mão, para arrancar o teto com apenas um serrote fino nos meus dias mais implicantes.

 

E que por fim, eu pudesse me apagar nos meus dias tristes, para me redesenhar mais feliz!

Não é preguiça. É luta.

Eu tento acordar, mas parece que tem alguém ali dentro de mim que não deixa.

” Você que inventou a tristeza, ora por favor, tenha a fineza de desinventar”

{  Chico Buarque  }

..  

Toda mulher (solteira) pensa em se casar.

Se não pensa em casar, pensa pelo menos em se “juntar” com o amado.

 

O fato, é que a mulher passa metade de sua vida imaginando esse dia.

Se arrumando (física, emocional e psicologicamente), entrando na igreja com o pai, dizendo sim no altar, recebendo os convidados na festa, jogando o buquê, indo para a Lua-de-Mel, trabalhando, amando, mais tarde tendo filhos e etc…

 

Mas… e quando este dia está para chegar?

E quando o namoro, de repente vira noivado?

 

Aí, a mulherada engole a seco, mas diz um SIM de boca bem cheia, com as mãos trêmulas, os batimentos cardíacos a mil, e com olhos e alma mareados pela emoção.

 

 

Depois deste pedaço, a mulher parte para a etapa “to nas nuvens”.

“Ai , vou me casar! Ai que lindo! Ai…DESENCALHEI!  Ai, eu o amo tanto! AI, QUE TUUUDOOO!!”

Aí, liga pra Deus e o mundo para dar a notícia. E a felicidade é tanta, que nem existe mais lugar no rosto para um sorriso.

 

E finalmente, depois desta, vem a fase “Desespero”.

“Ai, mas será  que não me precipitei?

Não me imagino casada.

Vou sentir tanta saudade da minha cachorrinha.

Eu me acho tão infantil pra casar ainda…será que vai dar certo?

Será que ele me ama de verdade mesmo?

E se ele não me amar do jeito que eu o amo…ai meu Deus! Tô ferrada!

Putz! Será que vamos brigar muito?

Caramba! Sem contar que vou ter que cozinhar e lavar a louça todo dia.

Ai, acho melhor eu voltar atrás (sacanagem..rs), namorar mais um ano e meio…quem sabe dois…e depooois a gente se casa, e etc, etc, etc…

 

Mulher é bicho estranho mesmo, NE?

Eu admito  ¬¬

Nem casou ainda, e já está montando uma vida desastrosa.

 

Eu hein!

“Olha vovó… o meu relógio tem CORNÔMETRO!!!!”

hahahahhahha…

Bom, a idéia, segundo a Cássia (sócia amada), surgiu em outros lugares, até que chegou em seu amigo Pablo.
Ela se apaixonou e trouxe para seu blogue, no Carambolas Azuis.

Resultado?
Eu vi, fiquei encantada, e resolvi trazer para cá também!
Então, aqui estão os meus hábitos de leitora:

1. A.D.O.R.O cheiro de livros. Antes de lê-los, sempre folheio suas páginas próximas ao meu rosto, só para subir aquele cheirinho gostoso.

2. Marco os trechos que me marcam, à lápis (Ever)!

3. Meu apelido na infância, era “Maria-Gibizinha”, que mais tarde resultou em “Magali” (Não é preciso entrar em detalhes)…rs.

4. Não dou e não troco meus livros por nada.

5. Só empresto os meus livros, para quem eu realmente considero confiável e EXTREMAMENTE cuidadoso.

6. Um dia vou escrever um livro infantil (também ilustrado por mim) e um outro mais complexo.

7. Não gosto e não consigo ler livros no computador.

8. Faço coleção de marcadores de páginas.

9. Não sou muito fã de livros auto-ajuda.

10. Choro de tristeza, choro de alegria, morro de raiva e me escangalho de rir enquanto leio; não importa quem esteja ao lado.

11. Tenho a péssima mania (ou não) de me colocar no lugar dos personagens.

12. Me sinto culpada quando não termino de ler um livro.

13. Já perdi o ponto que ia descer no ônibus, entretida na leitura.

14. Adoro ler livros infantis.

15. Quando presenteio alguém com livros, sempre dou junto um marcador de páginas feito por mim…rs

16. Meus marcadores estão sempre de acordo com o tema do livro.

17. Ainda vou abrir um café literário.

18. Gosto tanto de marcadores de páginas, que as vezes tenho uns três dentro de um só livro (pra dar uma variada, sabe)…

19. Consigo escutar música e ler ao mesmo tempo na maior tranqüilidade.

20. Já comprei livros pela capa e me arrependi.

21. Já comprei livros pela contra-capa e me surpreendi.

22. Pode me esquecer dentro de uma livraria. Eu não ligo! =)

23. Gosto mais de Sebos do que de livrarias. Sebos são muito especiais. Além dos livros, há também as inúmeras experiências. Milhares de pessoas já pegaram no mesmo livro que você. É só pegar um livro de Sebo na mão, e saberá bem do que estou falando. É diferente!

24. Emprestar livros me deixa muito feliz; ainda mais quando a pessoa gosta da minha indicação.

25. Confesso que eu fico muito mais feliz, quando as pessoas me devolvem os livros…hahaha…

26. Para 24 e25: Só os extremamente confiáveis e cuidadosos MESMO!

27. Quero me casar com um bom leitor, e ter uma biblioteca gigante em casa (que nem aquela que aparece no filme “A Bela e a Fera”, sabe? Daquelas que precisa até de escada…) Tão lindo!  

28. Quero ter o privilégio de ver nascer o prazer da leitura na vida dos meus filhotes. (Isso, quando eu os tiver, claro…rs)!

29. O melhor elogio que recebi de alguém, foi: “Lí, você me ajudou muito a ter prazer em ler”. Fiquei nas nuvens! SÉRIO!

 

=}

Sintaxe à vontade

"Todo sujeito é livre para conjugar o verbo que quiser.
Todo verbo é livre para ser direto ou indireto.
Nenhum predicado será prejudicado;
Nem tampouco a vírgula, a crase, nem a frase, e nem o ponto final!
Afinal, a má gramática da vida nos opõem entre pausas, entre vírgulas; e estar entre vírgulas é aposto.
E eu aposto o oposto que vou cativar a todos, sendo apenas um sujeito simples!"


GALERIA NAGULHA

Mais fotos
abril 2017
D S T Q Q S S
« jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Tem gente!

Sobre a Leitura



"Deve-se ler pouco e reler muito.
Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem.
É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."

Nelson Rodrigues


"Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem.
Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-lo?

Franz Kafka.
SOBRE A ESCRITA...

"O que é que eu posso escrever? Como recomeçar a anotar frases? A palavra é o meu meio de comunicação. Eu só poderia amá-la!"


"Devemos modelar nossas palavras até se tornarem o mais fino invólucro dos nossos pensamentos.
Sempre achei que o traço de um escultor é identificável por uma extrema simplicidade de linhas.
Todas as palavras que digo - é por esconderem outras palavras."


"Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir
Não sou pretenciosa.
Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando "...


"A palavra é minha quarta dimensão.
[...] escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é a palavra. Quando essa não-palavra - a entrelinha - morde a isca - alguma coisa se escreveu."


"Eu só escrevo quando eu quero. Sou uma amadora, e faço questão de continuar a ser amadora.
Profissional, é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever, ou então em relação ao outro.
Agora eu faço questão de não ser profissional, para manter a minha liberdade"

Clarice Lispector

Twitter

“PRATRÁSMENTE…”

ARQUIVOS

Folheie!

  • 29,577 Folheadas




"É somente pelo amaciamento e disfarce da carne morta através do preparo culinário, que ela é tornada susceptível de mastigação ou digestão; e que a visão de seus sucos sangrentos e horror puro, não criam um desgosto e abominação intoleráveis."

Percy Bysshe Shelley.

DOE-SE

Alegria!



Vida!